Escreva para pesquisar

11 dicas infalíveis para se dar bem no e-commerce

Com o avanço tecnológico e as transformações constantes, muitos negócios já vinham se adaptando ao mundo digital. Entretanto, a pandemia acelerou a migração e grande parte das empresas teve que se reinventar rapidamente para continuar as vendas no e-commerce.

O que antes era um processo opcional, hoje a empresa que ainda não aderiu ao e-commerce deve começar a pensar estrategicamente para inserir-se nesse negócio, pois este se tornou fundamental, visto que vivemos uma era tecnológica com grande parte da população hiper conectada. Ou seja, por meio dos negócios online o alcance se torna ainda maior e atraente.

Para auxiliar os varejistas a terem sucesso do comércio digital, Alexandre Elias, CMO do Grupo Rcell, elencou 11 dicas. Confira!

01. Não perca mais tempo

vender

Se você ainda não está vendendo on-line, comece o quanto antes, para não deixar que a concorrência siga atropelando você. Quem já embarcou no e-commerce vai fazer de tudo para não perder o espaço conquistado. Mas nunca é tarde para começar;

02. Comece pelo básico

e-commerce

Não há necessidade de fazer altos investimentos para começar a vender on-line. É possível entrar na onda do e-commerce investindo pouco, de modo que o custo inicial não desequilibre suas contas e permita, ao mesmo tempo, que você dê seus primeiros passos no território das vendas digitais;

03. Registre um bom domínio

compra pela internet

Sem um endereço eletrônico (URL), não existe e-commerce. Na hora de registrá-lo, procure incluir uma palavra estratégica que defina seu negócio. Tente usar nomes curtos e fáceis de lembrar. Sites como Locaweb e Kinghost, entre outros, podem auxiliar com o registro do domínio;

04. Escolha sua plataforma

vendas pela internet

O passo seguinte é escolher uma boa plataforma para e-commerce. As opções são inúmeras e a preços bastante razoáveis. Sites como Shopify, Wix e Magento, são bons pontos de partida. Depois de escolher um plano de mensalidade, você só precisará configurar a plataforma e cadastrar seus produtos. Avalie quais funcionalidades o site oferece, se ela permite integração com os principais meios de pagamento;

05. Capriche no visual

consumidora com cachorro comprando pela internet black friday

Economizar na criação de uma identidade pode ser um tiro no pé. Lá na frente, se você tiver que reformular, a dor de cabeça tenderá a ser grande. O melhor é contratar um profissional especializado para cuidar disso, pois ele será capaz de desenvolver não só um logotipo, mas todo o planejamento visual que garantirá ao seu e-commerce uma imagem clara, confiável e identificável;

06. Meios de pagamento

pix

Integrar a loja online com o sistema de boletos do seu banco e com as operadoras de cartão de crédito costuma significar alguma economia com taxas, mas dá um trabalho danado – e você ainda fica responsável, dependendo do caso, pela prevenção contra fraudes. Por isso, pode ser uma boa ideia recorrer aos intermediadores de pagamento, que fazem a ponte entre sua loja virtual e as instituições financeiras;

07. Use marketplaces

dicas de sucesso para marketplaces

Os shoppings digitais conhecidos como marketplaces – Mercado Livre, Americanas, Submarino, Shoppe, Amazon, Google Shopping e Facebook Shopping, entre outros – são a maneira mais rápida e prática de expor seus produtos a uma grande audiência. Existem várias plataformas de e-commerce (como VTEX e Magento) que oferecem integrações nativas com os principais marketplaces;

08. Abuse das redes

black friday redes sociais

Instagram e Facebook são ótimas ferramentas para impulsionar suas vendas on-line. Além de estimularem a compra por impulso, elas aproximam o lojista dos consumidores e facilitam bastante a sua vida, por exemplo, na hora de tirar dúvidas sobre determinado produto ou divulgar promoções;

09. Experiência do usuário

homem fazendo compras online com conexao para redes sociais

Tente enxergar seu e-commerce sob a ótica do cliente, colocando-se no lugar dele no momento da compra. Exemplo: muitos consumidores preferem fazer suas compras por meio de dispositivos móveis. Nesse caso, é importante que sua loja virtual funcione bem em celulares;

10. Logística e frete

logística sem papel

Como você vai entregar o produto comprado pela internet? E como vai calcular o custo do frete? Sem equacionar essas questões, seu e-commerce não tem como funcionar. Os Correios costumam ser a primeira opção de quem começa um e-commerce do zero, e você pode optar também pela terceirização do serviço de entrega, contratando uma transportadora. Além disso, existe ainda a possibilidade de contratar um motoboy, caso a entrega seja local. O mais importante, qualquer que seja sua escolha, é não prometer prazos que você não consiga cumprir;

11. Entenda a legislação

Sim, existe uma legislação específica para o e-commerce que prevê uma série de boas práticas, entre elas: as informações sobre o produto e seu fornecedor precisam estar descritas de forma clara, incluindo dados como razão social, CNPJ e telefone para contato; os produtos comercializados deverão ser acompanhados de uma descrição técnica, informando cores, peso, tamanho e demais características essenciais; o e-commerce deverá disponibilizar um canal eletrônico para contato do consumidor, como chat ou endereço de e-mail; informações sobre condições de pagamento, entrega e políticas de troca e devolução devem ser claras e completas

Foto: iStock

Leia também

Validação do GTIN na Nota Fiscal: Confira as mudanças

 

Tags

Send this to a friend