Escreva para pesquisar

Não é novidade para ninguém que o consumidor está cada vez mais disposto a gastar o dinheiro no e-commerce.

Fato comprovado em pesquisas. Uma delas, a da Worldpay from FIS, aponta que as vendas do e-commerce no Brasil devem avançar 95% até 2025.

Chama a atenção para o fato de que, desde 2020, o e-commerce tem tido uma forte crescente devido aos impactos gerados pandemia de Covid-19.

Os usuários têm optado, cada dia mais, pela praticidade das compras online. Muitos lojistas, vendo este crescimento, escolheram migrar para a loja virtual.

A análise é confirmada por números: segundo balanço da Visa Consulting & Analytics, cerca de 70 mil empresas entraram para o e-commerce desde o início da crise sanitária.

Diante deste cenário promissor, confira os 4 passos fundamentais para vender mais no e-commerce listados pela Lett.

1 – Tenha inteligência de dados

Mondelez International

Mondelez International cresceu 10 vezes no e-commerce durante a pandemia

Assim como no ponto de venda físico, no mundo digital o consumidor precisa ter acesso a todas as informações necessárias para compra.

Para que ele decida comprar um produto em que não consegue tocar, ele precisa se basear no que está descrito na página do produto.

Informações como: imagens de qualidade e atuais, um título coerente com o que está sendo oferecido e uma descrição completa do produto, são ações de trade marketing digital que irão ajudar neste processo.

Hoje em dia, a tecnologia pode facilitar a busca por estas informações pelos varejistas, simplificando o acesso a dados completos para ajudarem o e-commerce a se destacar diante de tanta concorrência.

Do outro lado, para as indústrias também é importante acompanhar essas informações, usando a inteligência de dados para antecipar problemas e demandas.

O uso da inteligência de dados para este tipo de acompanhamento ajudou a Mondelez International a crescer 10 vezes no e-commerce durante a pandemia.

O VP de Vendas da Heineken Brasil, Rafael Andrade, afirma que “Uma coisa fundamental para a indústria é o planejamento da demanda, da produção até a loja. A gente precisa fazer isso de forma ajustada, para quando o consumidor entrar na loja com a missão de comprar um produto ele não ter que fazer uma substituição.”

2 – Seja Omnichannel

Nestlé aumentou em 10 pontos percentuais a disponibilidade de estoque no e-commerce

Omnichannel é uma estratégia do varejo que utiliza diferentes canais de comunicação para oferecer a mesma experiência de compra independentemente do meio utilizado – seja no ambiente online ou no offline.

Segundo um estudo realizado pelo Deloitte, 56% de todas as vendas do varejo passam por alguma influência de canais digitais.

Hoje, este tipo de estratégia permite que você efetue uma compra online e retire em uma loja próxima a você, por exemplo.

Implementar o omnichannel poderá trazer diversos benefícios para seu e-commerce, dentre eles o aumento do ticket médio, uma vez que oferece ao consumidor a facilidade de comprar pelo canal de sua preferência, oferecendo a mesma experiência do canal físico.

Um exemplo disto, foi a estratégia feita pela Mondelez durante a pandemia foi a Lacta em Casa, que em parceria com a Lett utilizou a tecnologia para auxiliar o consumidor a encontrar o produto desejado em pontos de vendas próximos à sua localização e receber em casa, com isso, a Mondelez aumentou suas vendas no e-commerce em 700%.

Outro exemplo que demonstra que a estratégia multicanal é essencial para alta perfomance, é o caso da Nestlé que cresceu 10 pontos percentuais em disponibilidade de produtos para o consumidor e teve alta performance nos principais indicadores de execução do setor.

“Uma experiência omnichannel integra lojas físicas, e-commerces e consumidores. O cliente que deseja comprar qualquer produto na loja física pode estar ao mesmo tempo pesquisando avaliações e variações do produto na loja virtual. Assim, todos os canais do seu setor devem estar integrados para satisfazer o shopper e entregar informações corretas e de qualidade. O impacto positivo aparece não só no e-commerce, mas também nas lojas físicas”, pontua o CEO da Lett, Davi Song.

3 – Ofereça uma boa experiência de entrega

drone

Um dos momentos de maior ansiedade para o consumidor final está na espera pela entrega. E nem sempre ela é agradável.

Em muitos casos, todo o processo anterior a entrega cumpre todos os requisitos e alcança ou até supera às expectativas do consumidor, mas, nem sempre isso acontece nas etapas finais e este é um fator decisivo para compra.

Segundo pesquisa realizada pela Lett em parceria com a Opinion Box,  a última etapa relacionada aos prazos de entrega, é fator de decisão de compra para mais de 65% das pessoas.

Por esse motivo, um investimento importante de se fazer é no canal last mile. Na prática, last mile é um canal de vendas focado na última etapa do processo de entrega de um produto. É o período entre a saída da mercadoria do centro de distribuição, até o seu destino.

Trabalhar ativamente no last mile, é uma estratégia que empresas têm adotado para auxiliar nesta experiência relacionada às expectativas de entrega.

Um exemplo é a empresa Reckitt, que cresceu cerca de 10x no mercado de bens de consumo com canal last mile. 

4 – Tenha foco no consumidor

Ambev

Ambev aumentou em 195% as vendas no e-commerce

Aumentar o ticket médio de produtos de alto giro no e-commerce envolve oferecer primeiro uma boa experiência para o consumidor.

O mundo digital proporciona aos clientes muitas vantagens, porém, diante das possibilidades de experiências ruins, o consumidor poderá ter a impressão de que a compra presencial sempre trará menos problemas.

Uma experiência positiva não depende exclusivamente do varejo, mas também de indústrias que mantêm relacionamentos estratégicos com os varejistas e conseguem auxiliar na boa experiência de compra do consumidor final.

Um exemplo disso, seria o acompanhamento da qualidade das informações disponibilizadas pelo e-commerce para que o consumidor tenha facilidade em encontrá-las aumentando suas chances de compra.

De acordo com a pesquisa realizada pela Lett, o uso de 3 imagens ou mais nas páginas de produto online gera um aumento de 15,8% na taxa de conversão do e-commerce.

Além disso, produtos com 300 palavras ou mais na descrição possuem um número médio de tempo de permanência na página 43,1% superior ao de descrições com até 25 palavras.

Sendo assim, fica nítida a importância de investir em conteúdo de qualidade nas páginas de produto dos varejos e no acompanhamento destes dados pelas indústrias.

Um exemplo é Ambev que aumentou em  195% nas vendas no e-commerce com as atenção centradas em seu cliente. 

Foto: iStock

Leia também

Inteligência de dados aumenta 70% a receita das empresas 

Tags

Send this to a friend