Escreva para pesquisar

74% das empresas planejam investir em impressão 3D em 2021

O uso comercial e industrial da impressão 3D deve seguir crescendo no próximo ano, como aponta o “Relatório de Tendências de Impressão 3D”, publicado pela MakerBot, empresa que atua com impressão 3D e subsidiária da Stratasys Ltd.

Segundo o estudo global, que inclui o Brasil, 74% dos entrevistados planejam investir em tecnologia de impressão 3D em 2021, com 50% deles planejando gastar até US$ 100 mil no próximo ano.

“A impressão 3D tem grande potencial para transformar as operações nos mais diversos negócios. E quando perguntados sobre os desafios que suas empresas tiveram de enfrentar nos últimos 12 meses, a resposta mais frequente foi o corte recorrente de gastos, exceto os mais críticos. No entanto, esse claramente não foi o caso da impressão 3D”, conta o CEO da MakerBot, Nadav Goshen.

O estudo mostra que, enquanto a Covid-19 impactou os negócios de quase 70% dos entrevistados, mais da metade deles (56%) afirma que a pandemia não afetou o planos de investimento em impressão 3D.

Personalização

A pesquisa da MakerBot mostra outras descobertas. A possibilidade de personalização da produção, por exemplo, é o principal motivo pelo qual os entrevistados usam a impressão 3D atualmente.

O relatório mostra ainda que 68% afirmam que a possibilidade de criar peças de produção personalizadas de baixo a médio volume é um diferencial, enquanto outros 57% escolhem a impressão 3D pela possibilidade de imprimir geometrias complexas.

No entanto, a impressão 3D continua a desempenhar um papel importante nas fases de pesquisa e design. Modelagem de conceito (70%), protótipos funcionais (66%) e pesquisa e desenvolvimento (44%) foram as principais aplicações apontadas pelos entrevistados.

Desafios e barreiras

A qualidade de impressão e o desempenho da impressora são determinantes na escolha de uma impressora 3D. Para os entrevistados, uma impressora só vale a pena se as peças que ela imprime forem de boa qualidade. Os profissionais afirmam que a precisão dimensional (61%) e a confiabilidade (65%) são os principais fatores que influenciam na seleção de impressoras 3D.

O relatório da MakerBot mostra também que os custos e a experiência técnica ainda são as principais barreiras à implementação da impressão 3D – 53% dos entrevistados afirmam que a falta de orçamento os impede de utilizar totalmente a impressão 3D, enquanto 29% citam a carência de conhecimento técnico como um limitador.

Os entrevistados esperam que a tecnologia, os materiais e os aplicativos desenvolvam-se ainda mais nos próximos 3 a 5 anos. Além disso, 61% dos profissionais esperam que novos materiais surjam, enquanto 58% apostam na diminuição do custo da tecnologia como um todo.

Sobre o estudo

A MakerBot entrevistou mais de 1.200 profissionais que estão em sua rede global, entre os dias 21 a 26 de agosto de 2020. Os entrevistados estavam baseados na América do Norte (50%), Europa (20%), Ásia (14%), Oceania (6%), América do Sul (8%) e África (2%). A amostra representa mais de 20 setores, incluindo Militar e Defesa, Aeroespacial, Automotivo, Saúde, Manufatura, Artes e Entretenimento, e Bens de Consumo. Os cargos dos entrevistados variaram, com 37% em engenharia ou desenvolvimento, 20% em design, 9% em operações de impressão/laboratório, 9% em funções de gerenciamento sênior, 7% em produção ou manufatura, 1% em compras, 1% em operações da cadeia de suprimentos e 16% em outras funções.

Foto: Getty Images

Leia também

Impressão 3D: como essa tecnologia tem sido aplicada?

Tags

Send this to a friend