Escreva para pesquisar

Afinal, o que é ESG e qual é o propósito deste conceito?

Muito se tem falado sobre o Environmental, Social and Corporate Governance (ESG) e de como estes princípios podem e devem impactar o desempenho das empresas.

O tema tem ganhado força dentro das companhias e entre os investidores, mas embora tenha ganhado força recentemente,  o conceito não é exatamente novo.

Diante das dúvidas que surgem sobre o assunto, o diretor jurídico e Chief Compliance Officer da BASF, André Oliveira; e a diretora de relações institucionais, sustentabilidade e comunicação corporativa da BASF para América do Sul, Cristiana Xavier de Brito, que também são conselheiros do Comitê da Rede Brasil do Pacto Global, prepararam um artigo para explicar o assunto. Acompanhe:

“Ao longo dos últimos anos, diversas empresas já vêm trabalhando de forma consciente, visando gerar resultados sustentáveis, tendo em mente os impactos positivos que podem ser proporcionados para a sociedade nas quais estão inseridas.

É o que alguns têm chamado de “capitalismo consciente”, ou seja, uma maneira possível de aliar companhias rentáveis, mas com significado e propósito para todos.

É fato que, no último ano, com a pandemia do Coronavírus, essa discussão se acirrou ainda mais no mundo corporativo.

Levantamento recente realizado com 5 mil empresários em 19 países apontou que 89% deles enxergavam o ESG com um papel fundamental em suas companhias.

O estudo, realizado pela Grant Thornton, uma das maiores empresas de auditoria do mundo, mostra que o compromisso com o termo está além do discurso, já que essas práticas também podem render bons dividendos.

Empresas listadas para realizar IPOs reforçam esses princípios e o tema ganhou visibilidade em diversos fóruns públicos e privados. Mas nesse momento, é importante fazer alguns questionamentos: como este conceito realmente tem sido aplicado com eficácia pelas empresas? E, até que ponto o ESG integra apenas o discurso das companhias no País?

As empresas seguem tendo como prioridade bons resultados, e estão atentas dentro do seu segmento. No entanto, em qualquer área de negócio, as metas podem e devem ser atingidas de forma responsável e sustentável.

Vivemos condições bastante voláteis e desafiadoras no segmento corporativo. Nesse contexto, é ainda mais importante pensarmos no caminho (como) e não apenas no fim (resultados). Em um universo com um ritmo de mudanças extremamente ágil, precisamos estar em constante evolução e aprendizado.

Vamos tomar como exemplo a Governança. As empresas que investem em estratégias ESG promovem uma governança com viés social, econômico e ambiental totalmente alinhada ao seu propósito, mas entendem que não é uma fórmula única, como uma cartilha a ser seguida, e sim um processo, que deve ser revisado e revisitado com frequência.

Este, na verdade, é o grande segredo: hoje, não é mais possível conceber companhias transparentes sem altos padrões de ESG, que precisam ser atualizados com certa periodicidade.

Esse cenário evidencia o quão importante é nosso papel como uma empresa sólida do setor: servir de exemplo para a evolução dessa consciência social. Precisamos estar atentos ao legado que estamos construindo, pois não podemos ignorar que temos um papel transformador.

A pandemia também evidenciou, de forma muito contundente, a importância das pessoas dentro das corporações. A troca de experiências se faz ainda mais necessária, o que explica também a assinatura conjunta nesse artigo.

Ambientes diversos são mais produtivos, equipes múltiplas geram melhores resultados e diferentes conhecimentos promovem um legado sólido e capaz de ser reproduzido por gerações.

Nós temos participado ativamente deste processo ao longo de toda nossa carreira. Acompanhamos o desenvolvimento dos pilares do ESG em todas as frentes possíveis, e podemos dizer que estamos sim, em um momento muito decisivo, mas que ainda existe muito espaço para avançar.

Neste momento, em que muitos olhos estão voltados para a importância da implementação efetiva dos princípios ESG, é necessária atenção redobrada para diferenciar o discurso da prática.

Precisamos cada vez mais reforçar e mostrar que nossas ações são comprometidas com a preservação ambiental, desenvolvimento sustentável, e principalmente que são duradoras, de longo prazo.”

Foto: iStock

Leia também

Retomada de vendas, tecnologia e ESG são prioridades para 2021

 

Tags

Send this to a friend