Escreva para pesquisar

Consumo nos lares brasileiros cresceu 1,97%, diz ABRAS

A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) anunciou o Consumo nos Lares Brasileiro de novembro de 2021, que manteve sua trajetória de crescimento com alta de 1,97% na comparação com o mês de outubro.

O resultado é ainda mais acentuado quando comparado com o mês de novembro de 2020, com uma alta identificada de 4,43%.

Os dados da associação apontam ainda que de janeiro a novembro de 2021 o consumo se manteve positivo, acumulando 2,88%.

“As ações promocionais dos supermercados em novembro, a diversidade de marcas como alternativas para os consumidores de menor poder aquisitivo conjugadas com o pagamento do 13º terceiro aos trabalhadores assalariados contribuíram para o aumento do consumo nos lares”, explica o vice-presidente Institucional da ABRAS, Marcio Milan.

Segundo a ABRAS, a leve retração no valor da cesta nacional em novembro também pode ter contribuído para o aumento do consumo.

Cesta Abrasmercado

corredor de supermercado com carrinho

Em novembro, a cesta  Abrasmercado, composta por 35 produtos de largo consumo nos  supermercados, elaborada pela GFK em parceria com a ABRAS, apresentou recuo discreto, de -0,32%, em novembro em comparação a outubro, fechando o mês de novembro em R$ 697,80. Na comparação com novembro de 2020, o indicador cresceu 13,1%.

Os itens com as maiores altas em novembro na comparação com outubro foram cebola (25,2%), extrato de tomate (22,3%), café torrado e moído (10,0%), biscoito de maisena (6,5%) e sabão em pó (5,8%).

Entre as maiores quedas em novembro ante outubro ficaram carne dianteiro (-4,6%), queijo muçarela (-3,1%), leite longa vida (-2,7%), batata (-2,6%), queijo prato (-2,1%).

Principais cidades

loja da rede de supermercado pague menos

Dentre as principais cidades que apresentaram maior queda no preço dos produtos da cesta Abrasmercado em novembro, na comparação com outubro, estão Brasília (-3,0%), Grande Porto Alegre (- 0,95%), Interior do Rio Grande do Sul (-0,75%), Grande Rio de Janeiro (-0,70), Grande Belo Horizonte (- 0,38).

As maiores altas ficaram com as cidades de Natal (2,96%), Curitiba (2,61%), Fortaleza (1,79%), Goiânia e João Pessoa (1,39%).

Foto: iStock

Leia também

Software Kalipso Studio ajuda cadeia de supermercados a enfrentar a pandemia 

 

Tags