Escreva para pesquisar

Empresas compartilham estratégias para superar a crise

Levar otimismo para empresas, líderes e colaboradores com o propósito de construir uma rede de colaboração diante de crises, como a criada pela pandemia causada pela Covid-19.

Esse é o objetivo do Movimento #VamosVirarOJogo, desenvolvido por empresários e que visa ajudar, por meio de exemplos práticos, empresas de todos os portes e segmentos na retomada pós-crise.

César Souza, do Grupo Empreenda – Foto: Divulgação

Segundo o CEO do Grupo Empreenda e um dos idealizadores do #VamosVirarOJogo, César Souza, a iniciativa nasceu com a convicção de que não adiantaria ficar refém das circunstâncias, especular sobre as incertezas ou ser dominado pela nostalgia do passado.

“Não podemos dirigir uma empresa, nem nossas vidas, olhando pelo espelho retrovisor. Precisamos voltar a sonhar com o futuro do País, dos negócios, das famílias e da nossa carreira”, comenta Souza.

Para ele, nas épocas de crise, empreendedores precisam assumir as rédeas do destino e seguir em frente com coragem, foco, disciplina, determinação, perseverança e criatividade.

“Comecei a dizer para vários clientes para capricharem em 2020 e se prepararem para desfrutar das oportunidades quando os novos ventos começassem a soprar. Isso foi no final de abril, após um mês de isolamento social, visualizando muitos líderes inseguros, pois estavam vivendo uma fase indesejada e inesperada. Foi quando li uma frase do fundador e presidente da Simpress, Vittorio Danesi, num grupo de investidores no WhatsApp, dizendo: “Há vida pós-Covid!”, relembra.

Essa mensagem seguiu latente na cabeça do empresário que, uns dias depois, conversou com Cris Patsch e Milton Camargo, sócios na Empreenda.

Essa mensagem seguiu latente na cabeça do empresário que, uns dias depois, conversou com Cris Patsch e Milton Camargo, sócios na Empreenda. Em seguida, o fundador do Verity Group, Alexandro Barsi, também foi acionado e sua entrada foi decisiva para a ideia do  Movimento começar a tomar corpo e ser concretizada.

“Poucas horas depois estávamos estruturando o #VamosVirarOJogo. Consultamos também o CEO da Regus Brasil, Tiago Alves, que deu a maior força a ideia e, logo em seguida, um grupo de grandes empresários e executivos”, comemora Souza.

Hoje, a ação já conseguiu atingir cerca de 700 companhias, com o recebimento de 150 cases.

Colaboração entre empresas

Embora tenha sido criado durante a Covid-19, o #VamosVirarOJogo não se limita à pandemia. “Virar o jogo é um grito de guerra. É um despertar contra a dificuldade, os obstáculos no caminho e a depressão psicológica. Acreditar no futuro e lutar para realizar os sonhos e o futuro é o melhor remédio que conheço para lidar com as dificuldades. O Movimento quer ajudar as pessoas, empresas e comunidades a construírem o seu ‘Passaporte para o Futuro’”, resume Souza.

Além da adesão das empresas desse movimento de otimismo e de olhar para as oportunidades, a ação também despertou o sentimento de colaboração.

Afinal, nem sempre, no Brasil, as empresas tiveram a cultura de mostrar suas práticas e estratégias aos concorrentes.

“Uma das consequências da pandemia tem sido um maior sentimento de solidariedade e de colaboração entre empresas e entre pessoas e famílias.

O dito popular “O Segredo é a Alma do negócio” deve migrar para a percepção de que “A Alma é o Segredo do Negócio!””, compara Souza.

Boas práticas

estrategias crise #vamosvirarojogo

Algumas boas práticas já foram visualizadas e relatadas nos cases recebidos pelo Movimento, como por exemplo:

  1. Associação entre uma empresa industrial e tradicional com uma startup para construção de uma solução para um problema que angustiava a companhia há anos.
  2. Ajustes nos modelos de negócios, buscando ampliar a carteira de clientes através da oferta de soluções que visam capacitar clientes.
  3. Inovação na responsabilidade social, indo muito além de filantropia ou doações, mas engajando parceiros para reconhecer os funcionários na linha de frente e, através disso, atender necessidades de famílias em comunidades carentes.

Acompanhe alguns dos cases apresentados pelo Movimento.

1. Sharecare Brasil – Soluções tecnológicas para a área da saúde

Diante da Covid-19, a liberação da telemedicina trouxe um componente importante para dar suporte à população de forma virtual. Meios e ferramentas digitais também tiveram aumento expressivo de demanda. Nesse sentido, a Sharecare agiu em várias frentes, desenhando, desenvolvendo e lançando produtos e soluções que vão ao encontro das necessidades de empresas, operadoras de saúde e setor público.

2. Agaxtur Viagens – Movimento Supera Turismo Brasil

A Agaxtur foi coidealizadora do Movimento Supera Turismo Brasil, criado para o setor de turismo, com base no #VamosVirarOJogo. A ação foi baseada em três pilares: retomada de um setor arrasado; empregabilidade (sete milhões de empregos); e informações sobre protocolos de segurança e saúde em viagens. O objetivo é  unir todos os parceiros do trade de turismo em volta do objetivo de retomada e da manutenção de empregos.

3. Óticas Mercadótica – Transição do atendimento físico para o virtual

A Óticas Mercadótica, rede de franquias de ótica, renovou e ampliou seu modelo de negócio ao investir em estratégias digitais para driblar grandes prejuízos financeiros. A adaptação às vendas online sem incorporar e-commerce foi uma ferramenta útil para fazer a transição do atendimento em loja para o atendimento virtual nas 27 unidades da rede. Além disso, o treinamento e capacitação de colaboradores de forma constante se destacam como diferenciais.

4. Partner Desenvolvimento – Plataforma Gistimpact

A plataforma foi lançada no Fórum Econômico de Davos, com objetivo de permitir, de forma mais rápida e menos custosa, a valoração dos impactos dos negócios em todas as suas dimensões (econômica, ambiental, social e humana). Nesta fase crítica e desafiadora, a possibilidade de aferir e quantificar impactos ao meio ambiente e à sociedade em geral representa fator estratégico para a tomada de decisões e para o reporte para a Sociedade e para o Mercado (shareholders, stakeholders, investidores, financiadores). A Plataforma está disponível no site da GISTIMPACT (www.gistimpact.com), empresa da qual a Partner é parceira e representante no Brasil e Latam.

5. Associação Viva e Deixe Viver – Viva Personas

O projeto Viva Personas foi criado para possibilitar a continuidade do trabalho de contar histórias a crianças e adolescentes internados nos hospitais, atividade interrompida com o início da pandemia.Para preencher essa lacuna, artistas e personalidades das mais diversas áreas foram convidadas a fazer parte do projeto Viva Personas, gravando um vídeo em sua própria casa contando uma história infantil.Ao compartilhar os vídeos no site Bisbilhoteca Viva (www.bisbilhotecaviva.org.br), atingiram crianças isoladas socialmente neste momento, afastadas das escolas e também de pais atuantes na área médica.

Para participar do Movimento, é preciso se inscrever, gratuitamente, no site  www.vamosvirarojogo.org. “Os inscritos serão solicitados a relatarem seus cases de melhores práticas, mas isso não é obrigatório. Qualquer empresa que não seja fake e seja ética pode aderir, independentemente do tamanho e do setor de atividades”, destaca o CEO do Grupo Empreenda.

Fotos: Getty Images

Leia também

#VamosVirarOJogo mobiliza empresas para inovarem na pandemia

 

 

Tags

Send this to a friend