Escreva para pesquisar

Empresas reagem ao impacto da pandemia, segundo pesquisa da GS1 Brasil

Ao longo dos últimos seis meses enfrentando a crise gerada pela Covid-19, os empresários passaram por muitos momentos de insegurança e temor. Para sobreviver no mercado, implementaram mudanças e buscaram alternativas – como diversificar a produção e investir nas vendas digitais. Agora, os sinais de reação começam a aparecer, segundo indicam os resultados da pesquisa “Impactos da Pandemia no Cenário Nacional – 6ª edição”, realizada pela GS1 Brasil entre os dias 1° a 4 de setembro de 2020 com associados da entidade de todas as regiões do País.

Na comparação dos dados da 1ª edição da pesquisa, feita em abril, com os da 6 ª edição, em setembro, é possível observar essa reação dos negócios:

  • Neste período, caiu de 85% para 54% o total de empresas que tiveram queda no faturamento;
  • O número de empresas que reduziu a contratação de serviços foi 48% para 34% no período;
  • Uma menor quantidade de empresas pretende renegociar os contratos: queda de 42% para 25%;
  • Da mesma forma, menos empresas planejam adiar pagamento a fornecedores: diminuição de 48% para 24% no período;
  • O total de empresas que adotaram o marketplace/e-commerce como canais de vendas aumentou de 14% para 30%.

Faturamento

Com o passar dos meses, os impactos da crise gerada pela pandemia estão diminuindo. Mas, de qualquer forma, mais da metade das empresas ainda registram impacto negativo no faturamento (54%) no mês de setembro.

A boa notícia é que, por outro lado, 36% das empresas afirmam ter seu faturamento ampliado, índice que na primeira edição da pesquisa era de apenas 8%. Cerca de 11% dos entrevistados não sofreram alterações de faturamento nos últimos 30 dias.

pesquisa gs1 impactos da pandemia setembro 2020 faturamento

Operações

De acordo com o estudo, 57% das empresas tiveram redução na entrada de pedidos em setembro. Para se ter uma ideia, esse índice atingiu 83% em abril.

No início da pandemia, a acesso à matéria-prima foi um dos principais problemas enfrentados, mas com o passar dos meses a situação vem melhorando. Em abril, cerca de 77% das empresas afirmaram ter reduzido em mais de 20% sua obtenção de matéria-prima. No mês de setembro esse número caiu para 37%. Entretanto, somando as empresas com redução no acesso a insumos, 57% ainda passam por dificuldades.

Logística

Mais de 70% das empresas tiveram impacto nas operações logísticas no início da pesquisa. A partir de junho, esse cenário começou a melhorar, tanto que, em setembro, 46% apontam redução nas operações logísticas. O número de empresas que não sofreu impacto nessa área foi de 30% no mês de setembro.

Ações emergenciais

A pesquisa da GS1 Brasil mostra que nos últimos 30 dias, as empresas adotaram várias ações emergenciais, sendo as mais comuns:

  • economizar em serviços essenciais (49%);
  • reduzir ou remanejar funcionários (42%).

As empresas também deram indícios de que estão recorrendo menos às ações emergenciais:

  • 24% informaram que vão adiar pagamento aos fornecedores, indicador que atingiu 48% na primeira edição da pesquisa;
  • 26% vão replanejar os pagamentos, ação adotada por 59% das empresas no início da pandemia.

Segundo o estudo, 23% das empresas não realizaram nenhuma atividade emergencial neste mês.

Vendas online

A venda por meio dos canais digitais foi a alternativa encontrada para manter os negócios ativos diante da necessidade de isolamento social. Tudo indica que essa estratégia veio para ficar.

Segundo o estudo da GS1 Brasil, a adoção do marketplace/e-commerce passou de 14%, em abril, para 30%, em setembro. A mesma tendência pode ser observada para redes sociais e varejos online.

pesquisa gs1 impactos da pandemia setembro 2020 canais de vendas

Um dado relevante observado na pesquisa é que apenas 2% das empresas afirmaram não estar conseguindo vender seus produtos; na primeira edição do estudo esse volume chegou a 34%.

Suporte financeiro

Nesta 6ª edição da pesquisa, 27% das empresas informaram que já solicitaram algum tipo de empréstimo. Desse grupo, 57% pretendem buscar crédito no futuro.

Considerando as companhias que não solicitaram empréstimo ainda (73%), mais da metade (57%) não pretendem fazê-lo.

Visão para os próximos 30 dias

Dando sequência às ações para a recuperação dos negócios, nos próximos 30 dias as empresas continuam apostando na diversificação dos canais de vendas, ainda que em um ritmo menor em relação a agosto, uma vez que boa parte já investiu em alternativas usando tanto o canal presencial quando o digital para atingir seus clientes.

O estudo aponta que as companhias que não pretendem realizar nenhuma ação nos próximos 30 dias, voltou ao patamar de julho, com cerca de 32%.

Assim, os impactos da pandemia nos negócios ainda são significativos, mas, de forma gradual, as atividades das empresas caminham rumo à recuperação.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa “Impactos da Pandemia no Cenário Nacional” é uma sondagem realizada pela GS1 Brasil com o objetivo de analisar o comportamento das empresas associadas à entidade diante deste momento crítico e sem precedentes. O estudo está na sua sexta edição e adota a metodologia quantitativa.

As pesquisas foram realizadas com associados da GS1 Brasil de todos os portes e setores, sempre nas duas primeiras semanas do mês, com sua primeira edição em abril e a última em setembro. A margem de erro é de 9% no intervalo de confiança de 95%.

Acesse o estudo completo emhttps://www.gs1br.org/educacao-e-pratica/impactos-pandemia

Foto: Getty Images

Leia também

Estudo da GS1 mostra impactos da pandemia no cenário nacional

 

Tags