Escreva para pesquisar

GS1 apoia campanha global de combate a medicamentos falsos

A GS1 se uniu à campanha global Fight the Fakes (FTF), que tem o objetivo de conscientizar sobre os perigos de medicamentos falsos. A campanha dá voz às histórias de pessoas que já foram afetadas por medicamentos falsificados bem como daqueles que trabalham para acabar com essa ameaça à saúde pública. Criada em 2013, a FTF conta com 411 organizações parceiras, representando médicos, enfermeiros, farmacêuticos, pacientes, sociedade civil, fabricantes, atacadistas e indústria.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que um em cada dez produtos médicos que circulam em países de baixa renda é falso. Os boatos difundidos recentemente sobre tratamentos eficazes, vacinas e até “curas” para a Covid-19 mostram a relevância do tema. Combater efetivamente o problema dos medicamentos falsos exige esforços em várias frentes, como educação e conscientização do público e profissionais de saúde, estruturas legislativas fortes e cadeias seguras de suprimentos médicos.

Os parceiros do Fight the Fakes compartilham justamente a crença de que a coordenação entre todos os agentes envolvidos na fabricação e distribuição de medicamentos é vital para enfrentar essa questão.

É nesse contexto que a GS1 agrega sua expertise em padrões à campanha. A GS1  atua em âmbito global com padrões para melhorar a eficiência, a segurança e a visibilidade das cadeias de suprimentos. O uso de normas e padrões na área da saúde é importante para evitar que medicamentos falsificados entrem no mercado e cheguem aos pacientes, colocando em risco a saúde e o bem-estar dos consumidores.

Entre os exemplos mais conhecidos de padrões GS1 em saúde estão: o GTIN (padrão de identificação de produtos) e o código de barras GS1 DataMatrix, que está regulamentado pela Anvisa para rastreabilidade de medicamentos. A GS1 também tem um longo histórico de atuação com projetos e iniciativas de sucesso neste setor, em todos os continentes.

“O Fight the Fakes tem feito um trabalho incrível, em todo o mundo, na conscientização sobre os perigos dos medicamentos falsificados e estamos ansiosos para unir seus esforços. Nosso trabalho na GS1 começa antes mesmo de os pacientes serem expostos ao risco de, sem saber, comprar medicamentos falsificados de farmácias, hospitais e canais online. Por meio de nossos padrões, queremos garantir que produtos médicos falsos não terão a chance de alcançar os consumidores”, afirma o presidente e CEO da GS1, Miguel Lopera.

“A GS1 há muito defende a necessidade de combater os perigos de medicamentos falsificados, fornecendo soluções para ajudar as cadeias de suprimentos do mundo; por isso é natural que a GS1 se torne membro do Fight the Fakes. Estamos muito ansiosos para continuar colaborando com a GS1 nesta área importante”, destacou Chris Goetz, vice-presidente executivo e gerente-geral da International Federation of Pharmaceutical Wholesalers (IFPW), entidade que reúne atacadistas farmacêuticos, e membro do Fight the Fakes.

GS1 tem participação ativa no setor de saúde

Em todo o mundo, a GS1 tem sido uma das organizações protagonistas no combate de medicamentos falsificados. Há 15 anos criou o GS1 Healthcare, um fórum organizado pela GS1 Global para discutir sobre o desenvolvimento e a implementação de padrões globais no setor de saúde.

Levando em conta as particularidades e as necessidades da América Latina, também foi criado o grupo GS1 Healthcare Latam para trocar experiências entre países da região e promover ainda mais uma adoção regional dos padrões.

A GS1 Brasil tem participação ativa nas discussões e iniciativas desses dois fóruns. Além disso, apoia a implementações dos padrões em indústrias farmacêuticas, distribuidores de medicamentos, operadores logísticos, hospitais e varejistas, além de acompanhar de perto as discussões de órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A luta contra a circulação de produtos médicos falsificados é de todos nós, precisamos cuidar do que é mais importante: a nossa saúde. No Brasil, a GS1 tem atuado muito próxima ao setor para levar o que há de mais inovador no combate à falsificação. A rastreabilidade de medicamentos já é lei no Brasil e a implantação total está prevista para abril de 2022. Por isso, a GS1 Brasil lançou recentemente um Grupo de Trabalho que discuti soluções para que as empresas possam implementá-la de maneira simples, porém com muita eficiência e assim usufruir e colher benefícios desta rastreabilidade”,  explica o responsável pelo setor da Saúde na GS1 Brasil, Marcelo Sá.

Foto: Getty Images

Leia também

GS1 dá dicas para rastreabilidade de medicamentos

Padrões GS1 apoiam o setor de saúde no combate à Covid-19

Tags

Send this to a friend