Escreva para pesquisar

KPMG aponta tendências para Emerging Giants e Startups

A KPMG realizou um levantamento analisando os quatro padrões de retomada dos 40 principais setores da economia brasileira após um ano de início da pandemia da Covid-19.

Segundo estudo, as Emerging Giants e Startups estão no estágio “crescimento”. Nessa etapa, estão empresas que escalam o pós-pandemia com o comportamento do consumidor favoravelmente alterado durante a crise.

Além disso, os investidores percebem seu potencial de liderar e fornecem capital para escalar agressivamente durante a recuperação.

“Tratando de Emerging Giants e Startups, após mais de um ano de pandemia, inicialmente houve uma preocupação muito grande por parte das startups com o fluxo de caixa. No momento, há desafios de contenção de despesas e foco nas linhas de negócios mais importantes do ponto de vista da geração de valor para a companhia. Negócios como edtechs e healthtechs ganharam destaque, enquanto startups de turismo, por exemplo, foram afetadas. Além disso, há desafios de revisões dos planos de investimentos e alocações, considerando o cenário de incerteza e foco em retenção de clientes e controle do churn”, afirma o sócio-lider da área de Private Enterprise da KPMG no Brasil, Jubran Coelho.

Tendências para as Emerging Giants e Startups, segundo estudo da KPMG

  • Venture capital captados no momento da pandemia contribuiu para o funding e o volume de investimentos no setor;
  • Oportunidades de aquisições com valuations atrativos e boa liquidez no mercado de Venture Capital;
  • O cenário converge para uma maior necessidade de digitalização de processo e produtos, o que certamente, favorece o mercado de startups, tendo em vista o foco em tecnologia e inovação de seus modelos de negócios;
  • Movimento inédito de diversos IPOs de startups na B3, sinalizando o amadurecimento do ecossistema no Brasil;
  • Forte de tendência de Corporate Venture e Inovação Aberta das grandes corporações contribuindo não apenas com o funding no mercado de startups, mas também com o desenvolvimento e maior conexão com o mercado;
  • Marco Legal das Startups aprovado no Senado: medidas de estímulos à criação de startups e aumento da segurança jurídica aos investidores;
  • Necessidade de inclusão da gestão ESG na agenda da liderança para manutenção da competitividade e resiliência dos negócios.

Foto: iStock

Leia também

Startups ganham página no portal do Sebrae

Tags