Escreva para pesquisar

Levi’s adota RFID para otimizar processos logísticos

A Levi’s começou um projeto-piloto no Brasil utilizando a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) para agilizar e simplificar seus processos logísticos, fazer a rastreabilidade de produtos e reduzir custos.

A companhia já utiliza o RFID no México e nos Estados Unidos há cerca de dez anos. Assim, a unidade brasileira viu também nesta tecnologia a possibilidade de otimizar as operações.

O projeto começou em 2017 com a aplicação do RFID no Centro de Distribuição (CD), em Itapevi (SP), e em 24 lojas próprias. A tecnologia é utilizada em todo o processo logístico, desde a saída dos produtos do CD, recebimento dos produtos e conferência dos volumes lacrados na loja, venda dos produtos ao cliente final, inventário e sistema antifurto.

Processo automatizado

A impressão das etiquetas acontece no CD utilizando o padrão global EPC/RFID. O software utilizado está integrado com o WMS, que envia as informações dos produtos à sua respectiva caixa.

As etiquetas adesivas RFID são aplicadas na etiqueta das roupas, ou seja, na parte interna da peça.

Os produtos etiquetados são armazenados em caixas lacradas e depois validados no Portal RFID. O software faz o vínculo dos itens às notas fiscais que serão enviadas para as lojas.

Lojas com operação assertiva

No momento em que recebem as mercadorias do centro de distribuição, as equipes das lojas realizam uma nova conferência a fim verificar se há divergências no pedido.

Com um leitor portátil, os colaboradores conseguem fazeralém do recebimento, os  inventários e a localização de peças no estoque.

leitura de tag rfid em loja da levis

A solução antifurto do ponto de venda também está integrada no processo e, assim, é possível identificar se os produtos já foram pagos pelo cliente.

Resultados

A Levi’s vem colhendo vários resultados positivos com o RFID. Os produtos são conferidos de forma rápida e prática sem precisar levá-los até o estoque, abri-los e contar manualmente antes de expor para venda na loja. Dessa forma, o tempo que o produto fica fora da área de venda diminuiu 90%.

Com o RFID, foi possível reduzir também o tempo e as pessoas envolvidas na execução do inventário, aumentando a acurácia.

Antes do RFID o inventário não era feito com frequência nas lojas, gerando perdas. Com a adoção da tecnologia, os inventários viraram rotina e passaram a ser realizados todo mês. Com isso, a empresa tem informações mais precisas e pode realizar ações de venda.

Além da frequência, o tempo para execução do inventário também diminuiu. Antes do RFID, uma equipe de seis pessoas levava nove horas para fazer a contagem de 30 mil peças. Com a tecnologia, são necessárias apenas três horas no processo completo de contagem e análise, com apenas duas pessoas para o mesmo total de produtos.

Expectativas

Mirando o futuro, a empresa tem planos de implementar a tecnologia nas unidades franqueadas. No viés do marketing, a ideia é instalar espelhos mágicos, integrados ao RFID, nos provadores das lojas.

No centro de distribuição, a ideia é receber os produtos já etiquetados, fazendo com que o ganho do RFID seja ainda mais palpável na cadeia logística. Com isso, a empresa poderá fazer a rastreabilidade do produto desde a produção até o cliente final.

As aplicações utilizadas durante o projeto foram desenvolvidas pela iTAG Tecnologia e controlam todos os processos RFID. A Levi’s também conta com outros parceiros neste projeto: Sato, Zebra, Impinj e Identix.

Fotos: Divulgação

Tags

Send this to a friend