Escreva para pesquisar

Novo robô promete aumentar produtividade do setor automotivo

A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) apresentou neste mês de fevereiro um novo robô com tecnologia nacional que promete tornar a fabricação de veículos mais rápida e econômica.

O robô Snake tem movimentos flexíveis, semelhantes ao de uma cobra. Diferentemente de outros robôs que, atualmente, operam na linha de montagem, ele é capaz de alcançar locais de difícil acesso em espaços restritos para desempenhar diferentes funções como inspeção de soldas, aplicação de selantes, pinturas e outros tipos de análises de vídeo, por meio de uma câmera instalada em sua extremidade.

O projeto é uma iniciativa da General Motors (GM) que buscou o modelo da EMBRAPII para viabilizar a ideia. Ele foi desenvolvido por pesquisadores da Unidade EMBRAPII ISI Laser, em Joinville (SC). O resultado chamou a atenção da GM americana e já gera interesse de investidores brasileiros.

“Existem robôs snake no mundo, mas as características que desenvolvemos nesse projeto são únicas”, diz o gerente de inovação da GM América do Sul, Carlos Sakuramoto. Segundo ele, o modelo, que tem a capacidade de ultrapassar obstáculo, poderá substituir até quatro robôs, dependendo da operação. Assim, ele representará economia no processo produtivo, com a redução de ciclos e de área de produção. A previsão é que até a metade de 2020 seja inserido para testes na linha de montagem.

Tecnologia nacional

O robô foi idealizado com uma concepção de modularidade, podendo possuir mais ou menos eixos a depender da funcionalidade requerida. Ele se caracteriza pela agilidade e flexibilidade nas suas operações e sua versatilidade garante que ele possa atuar, além da indústria automotiva, na inspeção de máquinas e equipamentos da indústria aeronáutica, petróleo e gás.

De acordo com o diretor de planejamento e gestão da EMBRAPII, José Luis Gordon, o incentivo à inovação, por meio deste projeto, possibilita benefícios para alunos de mestrado e doutorado. “O projeto é uma demanda do setor produtivo, sendo realizado aqui no Brasil por uma empresa de grande porte, ou seja, o país está se tornando referência em tecnologias de Manufatura 4.0”, destaca. “Além disso, é interessante que pesquisadores, que são alunos em formação, muitos estão começando abrir startups, ou seja, gera também uma oportunidade para novos negócios.”

Foto: Divulgação

Tags