Escreva para pesquisar

Nutty Bavarian investe em novas frentes de negócios

Reinvenção tem sido a palavra de ordem nos negócios em tempos de pandemia. E não foi diferente com a Nutty Bavarian, rede especializada em castanhas glaceadas que atua no sistema de franquias, com quiosques espalhados em shoppings, rodoviárias, metrôs e aeroportos.

Em entrevista ao Portal de Notícias da GS1 Brasil, Adriana Auriemo Miglorancia, sócia fundadora da rede, falou sobre a situação da empresa, que viu seu faturamento despencar no início da pandemia, além de contar as novidades para 2021.

“O ano de 2020 não foi fácil para ninguém. Passamos por um turbilhão de desafios, no varejo não foi diferente. Nossas lojas, basicamente concentradas em shoppings e aeroportos, foram imediatamente impactadas pelas medidas de fechamento”, lembra a executiva.

Com as restrições e os novos hábitos dos consumidores impostos pelo coronavírus foi preciso pensar em novos caminhos para driblar a crise.  “Acredito que todos os empreendedores tiveram que olhar em volta para enxergar as oportunidades e descobrir outras maneiras de fazer os seus negócios. O empreendedor precisa ser muito resiliente, mas também criativo e não desanimar”, comenta Adriana, que também é diretora de novos negócios e microfranquias da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Ampliação dos canais de vendas

Assim, além da venda de castanhas ao consumidor final, a Nutty Bavarian passou a diversificar os canais de atuação, comercializando seus produtos prontos em supermercados, empórios, redes de cinema, frigobar de hotéis, lojas de conveniência, redes de drogarias, delivery, pontos turísticos como o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, e Parque Ibirapuera, em São Paulo, além do próprio e-commerce da marca.

Adriana auriemo socia fundadora da nutty bavarian

Adriana Auriemo, sócia fundadora da Nutty Bavarian no Brasil

“Aceleramos muitas coisas que já estavam em andamento, desde produtos nas gôndolas de supermercados, lojas parceiras, parques, delivery via Ifood e nosso e-commerce ganhou mais visibilidade. Ainda estamos entendendo o que vai ser dos próximos meses e já estamos prevendo a falta de insumos no primeiro trimestre do ano, situação que nossos franqueados precisarão ter paciência em relação ao abastecimento”, afirma a empresária.

A marca também apostou em outras frentes de negócios, como o food service, passando a vender as castanhas como ingrediente para várias redes, a venda de brindes corporativos e parcerias com outras empresas, no modelo de co-branding.

“Fornecer as castanhas como brinde em eventos corporativos é um braço do negócio, operado tanto pelo franqueado quanto pelo franqueador. Nesse caso, os cones são customizados com a marca do parceiro. Telecine, Motorola, Bradesco, Igresso.com, HDI Seguros, entre outras empresas, já presentearam clientes e parceiros com as castanhas da Nutty em seus eventos corporativos”, explica Adriana, complementando que a vantagem de usar as castanhas como brinde é que o produto não precisa de refrigeração e tem grande durabilidade.

Planos para 2021

Mesmo depois de um período tão intenso, o novo ano que se inicia ainda deve reservar muitas incertezas. “Sem dúvida, não dá para prever nada, se já era uma tarefa complicada, a pandemia veio para provar que é algo bem subliminar, o que podemos fazer é estarmos atentos e dispostos para realizar mudanças em tempo recorde, não ficar preso a crenças, ouvir as necessidades de nossa rede e de nossos clientes. Vamos errar, inevitável que sim, mas temos que ter a consciência de realizar. Nada acontece se não realizarmos, se não nos mexermos. Errar faz parte, precisamos minimizar, claro, e arrumar tudo rapidamente”, acredita Adriana.

Nesse cenário, a Nutty Bavarian revisou todas as metas e objetivos para 2021 e conta com o apoio de uma consultoria para trabalhar com métodos.

Segundo Adriana, a grande novidade é que, neste mês de janeiro, será inaugurada a primeira loja de rua da marca. A necessidade de fechamento dos shoppings e aeroportos deixou um aprendizado, indicando essa alternativa para a empresa. Além disso, a Nutty Bavarian vai continuar explorando os vários canais do varejo, ampliando a presença nas lojas parceiras e a estratégia de co-brading.

Cuidar das pessoas é outro ponto que se tornou ainda mais importante para a marca neste momento. “Trabalhamos com a vida de muitas pessoas, muitas delas tem a Nutty Bavarian como seu principal sustento, respeitamos e somos gratos pela confiança de nossa rede e estaremos sempre dispostos a fazer com que não seja só um sonho, mais que expectativas, temos o compromisso de seguir firmes, a tentos, conectados, antenados, buscando inovar para que seus (nossos) negócios sejam promissores”, afirma Adriana.

História de sucesso

Desde o início, a trajetória da marca sempre foi permeada por desafios, erros e acertos. Em sua jornada empreendedora, Adriana Auriemo enfrentou vários obstáculos, mas conseguiu superá-los por acreditar no potencial do produto, algo completamente novo no mercado nacional na época de lançamento.

A fundadora da Nutty Bavarian no Brasil conheceu as castanhas glaceadas em uma viagem aos Estados Unidos em 1996. Recém-formada em administração de empresas, ela estava assistindo a um jogo de basquete quando sentiu o aroma das castanhas. Comeu, se apaixonou e achou que aquele produto poderia ter sucesso no Brasil.

Inicialmente, a tia de Adriana comprou o equipamento e a matéria-prima para montar o primeiro quiosque da Nutty Bavarian no Brasil, em Campos do Jordão, cidade turística da serra paulista. Foi um sucesso de vendas, mas como a tia não queria dar andamento aos negócios por razões pessoais, Adriana foi novamente aos Estados Unidos conversar com o fundador da Nutty Bavarian para trazer a marca de vez para o Brasil como máster franqueada. Descobriu, então, que não se tratava de uma franquia, mas de um negócio de licenciamento.

Assim, ela comprou a exclusividade de venda do produto no Brasil, com a condição de abrir cinco pontos em cinco anos. Apesar do grande desafio, já no primeiro ano a empresa conseguiu abrir 20 operações próprias no País. A expansão por franquias começou em 1997, com abertura de um quiosque no Rio de Janeiro. Hoje, são mais de 100 pontos de venda no País.

Com o sucesso do negócio, Adriana começou a ser procurada por interessados em levar a franquia para outros países. “Eu sempre direcionava para o criador da marca, nos Estados Unidos, mas em uma conversa em 2015 ele sugeriu que nós levássemos para lá o modelo de franquia que implementamos no Brasil”, conta a empreendedora. “Vale lembrar que desenvolvemos o modelo de franquia da Nutty Bavarian sozinhos no Brasil, já que nos Estados Unidos o método de trabalho é o licenciamento, e não há padronização de marca e mix de produtos”, conta Adriana.

Fotos: Divulgação Nutty Bavarian

Leia também

Empreendedorismo no DNA foi tema do último Conexão Tech de 2020

Tags

Send this to a friend