Escreva para pesquisar

PMEs são as que mais investem em tecnologia no país

As PMEs representam 82% das organizações que mais investem em tecnologia para ajudar no avanço da empresa.

Esse levantamento, realizado pela Cortex, no portal Acontecendo Aqui, investigou 1,2 milhão de empresas e acompanhou, aproximadamente, 10 mil ferramentas de tecnologia, dentre as quais estão: Cloud Providers, Business Email Hosting, CRM, Marketing Automation, AI Services, Blog, E-commerce, Security.

De todas, 295 mil foram identificadas com elevado índice de adoção de tecnologia; 66,8% são microempresas; 15,1% são de grande porte; 13,4% dão de pequeno e 2,8% são de médio.

Os números mostram o quanto as empresas de menor porte inserem a tecnologia para auxiliar e otimizar as demandas do dia a dia.

Adoção da tecnologia por setores

loja de varejo com icones representando tecnologia automacao

Além disso, também foram investigados os setores que mais investem em tecnologia. Varejo e serviços estiveram na liderança. Na sequência, financeiro, indústria e logística.

No varejo, que aparece na frente quando o quesito é adoção de tecnologia, os que mais possuem proeminência são vestuário e acessórios e produtos alimentícios e farmacêuticos.

O diretor de inovação da Cortex explica que a transformação digital não é mais um diferencial competitivo, mas algo necessário.

“O investimento em tecnologia precisa fazer parte da estratégia de qualquer companhia, para que ela possa evoluir e se destacar. Para além do benefício de facilitar processos e otimizar o tempo, a tecnologia, junto à inteligência de dados, também é uma excelente fonte de insights e apoio às tomadas de decisões estratégicas para o negócio”.

Pequenas empresas investiram mais em tecnologia no segundo tri

inovação tecnologia

Ainda sobre tecnologia, o que envolve o uso de banco de dados por exemplo, segundo a Sondagem Trimestral da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, realizada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, 23% das empresas do Brasil aumentaram o investimento em digitalização, ou seja, tecnologia, no segundo trimestre deste ano.

O crescimento foi mais elevado entre as Micro e Pequenas Empresas (MPEs), e 14,1% advém das organizações desse porte, ante 9,2% registrado no primeiro trimestre do ano.

A análise, feita a cada três meses, tem como foco investigar a jornada das empresas, essencialmente MPEs, no caminho da economia digital, além de localizar tendências para curtos e médios prazos.

Entre a primeira e a segunda jornadas do ano, foi evidenciado crescimento de 3,6 pontos, de 117,5 para 121,1, no indicador que analisa os investimentos realizados em digitalização.

Dentre as micro e pequenas empresas, o avanço foi de 6,2 pontos: de 105,0 para 111,2 pontos.

Transformação digital já é real

transformação digital

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.

Verificou-se que 68% dos empresários estão abertos a integrarem um programa de aceleração da maturidade digital que seja auxiliador na trajetória da transformação digital.

Já 18% das empresas ainda estão em fase analógica, e 48%, emergentes.

Nos primeiros três meses de 2022, 40% das MPEs que agem na indústria disseram terem realizado investimentos em digitalização dos negócios.

No setor de serviços, o número foi de 49%, e no comércio, 52%. Os dados também são da FGV e da ABDI.

Transformação digital em alta nas PMEs

transformação digital nas PMEs

Dessa parceria, foi feita a sondagem sobre transformação digital nas empresas brasileiras, a fim de acompanhar, a cada três meses, a trajetória de negócios nesse setor para a economia digital.

Ainda sobre o setor de serviços e tecnologia, o que abrange um provedor de serviços gerenciados, por exemplo, segundo Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), pelo portal Agência IBGE, o volume de serviços prestados no Brasil avançou 0,9% na passagem de abril para maio deste ano.

Na ocasião, é o terceiro bom resultado do setor nos quatro meses que antecederam o período analisado, momento em que acumulou ganho de 3,3%.

Com o balanço de maio, o setor se encontrou 8,4% acima do nível pré-pandemia da Covid-19, em fevereiro de 2020, e 2,8% abaixo do ponto mais elevado da série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), conquistada em novembro de 2014.

Foto: iStock

Leia também

Código 2D: a vantagem da embalagem estendida 

Tags