Escreva para pesquisar

Qual o futuro dos códigos de barras? A GS1 explica

O mundo mudou significativamente desde a introdução do código de barras em 1974 e, com ele, as demandas por dados precisos aumentaram.

É por isso que a GS1 desenvolveu novos padrões para dar suporte às cadeias de suprimentos e às necessidades dos consumidores. A GS1 é a associação responsável pela atribuição do código de barras há mais de 45 anos. Mas, o que o código de barras nos diz sobre os produtos que compramos?

O código de barras linear, com o qual a maioria está familiarizado (linhas verticais em preto e branco lidas no caixa), contém uma quantidade limitada de informações sobre um produto.

Na verdade, ele contém apenas o número localizado na parte inferior do próprio código, em formato binário. Esse número funciona como uma chave única para cadastro em bancos de dados mantidos pelo varejista.

Mas ao longo dos anos, apesar da sofisticação do código, surgiram novas demandas. “Os clientes estão constantemente exigindo mais informações sobre os produtos que compram, onde são cultivados e a melhor forma de usá-los e reciclá-los. Soma-se a isto o fato de que os varejistas estão ficando sobrecarregados com o grande volume de dados que vêm de várias fontes em diferentes formatos, o que é cada vez mais complicado quando se trata de recalls de produtos (coleta de produtos por contaminação, por exemplo)”, comenta a CEO da GS1 Brasil, Virginia Vaamonde, acrescentando que, neste cenário, ganha destaque o código de barras 2D.

O que faz o código 2D?

Eles se parecem com os QR Codes ou códigos QR (Quick Response, resposta rápida) e já podem ser encontrados em alguns medicamentos controlados.

Segundo Virginia, a vantagem de um código de barras 2D sobre um código de barras linear é que ele pode codificar muito mais dados.

“Ele pode conter detalhes como o lote e o número de série de um item, que são fundamentais para o setor da saúde, bem como as datas de validade, tornando-o perfeito para rastreamento, por exemplo, de alimentos frescos. Esta codificação também pode alertar o varejista sobre a data de validade quando digitalizado no checkout, e o sistema poderá impedir a compra”, diz a executiva.

Aplicação prática

O gigante australiano dos supermercados, Woolworths, já testou o uso de códigos de barras 2D para ajudar a reduzir o desperdício de alimentos e controlar melhor a data de validade, evitando as vendas de produtos vencidos.

O gerente geral de capacitação de negócios, Richard Plunkett, diz que “os códigos de barras 2D têm um potencial imenso para agregar em processos de rastreabilidade e também em embalagens inteligentes”.

Além de aumentar a quantidade de dados disponíveis, os códigos de barras 2D ocupam, significativamente, menos espaço na embalagem, do que um código de barras linear tradicional.

Isso permite mais espaço no rótulo do produto para ser usado para mostrar as credenciais de uma marca ou fornecer informações mais detalhadas sobre o produto, ajudando a construir uma maior confiança entre fornecedores e consumidores.

Diferenças entre os códigos

Tem havido um aumento no número de produtos que chegam ao mercado com vários códigos de barras diferentes apresentados na embalagem. Por exemplo, em embalagens comuns de produtos em supermercado, já é normal encontrarmos:

  • Um código de barras linear EAN para ponto de venda;
  • Um código QR para informações nutricionais de rótulo inteligente;
  • Um código proprietário para permitir atividades de marketing.

Vencendo a barreira de espaço dos códigos nas embalagens

gs1 digital link

Os códigos não devem ocupar muita área em produtos com pouco espaço para a etiqueta ou o rótulo. Pensando nisso, a GS1 tem um novo padrão para otimizar os códigos e reduzir a poluição visual de embalagens.

Ratificado em fevereiro de 2020, o GS1 Digital Link faz o que o nome sugere e permite que as informações do produto sejam conectadas digitalmente, tudo a partir de um suporte de dados (ou código de barras).

Isso faz com que a experiência de consumidores em todo o mundo seja aprimorada, ao mesmo tempo que a fidelidade às marcas
sai ainda mais fortalecida. O GS1 Digital Link também faz com que a rastreabilidade na cadeia de suprimentos seja mais eficiente.

Semelhante à maneira como um endereço da web (URL) aponta para um site específico, o GS1 Digital Link permitirá conexões com todos os tipos de informações business-to-business (B2B) e business-to-consumer (B2C).

E, em vez de se limitar a um tipo de suporte de dados, como um código de barras tradicional, as marcas agora podem usar um código QR, identificação por radiofrequência (RFID), etiqueta GS1 DataMatrix ou comunicação de campo próximo (NFC) para fornecer essas informações aos clientes.

Mas a introdução do GS1 Digital Link não significa que o uso do código de barras esteja mudando. Muito pelo contrário!

“Proprietários de marcas e varejistas ainda usarão o código de barras por muitos anos. Só que agora eles têm a oportunidade de migrar futuramente para um único código de barras habilitado para web”, finaliza Virginia.

Fotos: DVULGAÇÃO GS1

Leia também

62% das empresas usam o código de barras nos produtos

Tags