Escreva para pesquisar

Rosas de Ouro e GS1 Brasil juntas no projeto Carnaval 2020

A tecnologia vai dar um bom samba no Carnaval 2020 de São Paulo. Isso porque a Rosas de Ouro conta com o apoio da GS1 Brasil e outros parceiros para o projeto “Tempos Modernos”, que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco André Machado. O tema traz a história das revoluções industriais com ênfase na Revolução 4.0 contada pelo robô ROXP4, um brinquedo que foi trocado por outro mais moderno. A ideia é mostrar para o público em geral que estamos vivendo a Revolução 4.0 de forma prática com a aplicação de algumas tecnologias. No dia 23 de outubro, a escola e a GS1 Brasil assinaram a parceria.

Além de toda a participação técnica e conceitual para o desenvolvimento do projeto, a parceria conta também com uma fantasia chamada “Código para o Futuro”, que foi apresentada no dia 19 de outubro. O figurino tem como elemento principal o código, que tem ganhado formatos e aplicações diferentes com as evoluções tecnológicas e tem transformado a maneira como trabalhamos e vivemos. Para se ter uma ideia da importância dessa fantasia, atualmente o código de barras é lido 6 bilhões de vezes ao dia em todo o mundo.

Fantasia “Código para o Futuro” traz elementos do código de barras

Já em produção, o carnaval da Rosas contará, pela primeira vez, com tecnologias nas alegorias e fantasias. Essas tecnologias que estão sendo apresentadas no enredo da Rosas de Ouro são inovações que já ajudam e vão colaborar ainda mais para melhorar as nossas vidas, trazer mais eficiência para as empresas e em várias áreas da sociedade, como na saúde, agricultura, alimentos, entre outras.

Fundada há 48 anos, a Rosas de Ouro, tradicional escola de samba da zona norte de São Paulo, é considerada uma das maiores do Brasil e vai usar a cultura para dar visibilidade a quarta revolução industrial que estamos vivendo. A proposta da escola é expandir os limites de tempo e espaço durante o desfile por meio de experiências digitais, que estão em testes. Assim, serão disponibilizados aplicativos que poderão ser baixados gratuitamente para que o público possa acompanhar em tempo real todas essas informações, vivenciando uma folia diferente.

Carnaval 4.0

A ideia do enredo surgiu nas discussões de um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Centro Universitário FEI, Instituto Mauá de Tecnologia e INSPER, preocupados com o impacto da quarta Revolução Industrial no Brasil.

O grupo percebeu que os debates tão interessantes e promissores no meio acadêmico – e que inclusive deram origem a um livro – não estavam chegando à sociedade na velocidade da tecnologia, que avança de forma exponencial. Então, para democratizar essa reflexão, surgiu a ideia de levar o tema para o Carnaval. A partir daí, foi criado o grupo Carnaval 4.0, que buscou parceiros, entre eles, a GS1 Brasil – Associação Brasileira de Automação.

“O desfile da Rosas de Ouro vai catalisar a discussão sobre o futuro iminente para o qual precisamos nos preparar, ao mesmo tempo que vai jogar luz sobre coisas que podemos fazer imediatamente para criarmos um Brasil 4.0. Nesse sentido, ter o apoio de entidades como a GS1 Brasil, que tem ajudado tantas empresas e serem mais produtivas, é maravilhoso. Na prática, adotar os padrões GS1 significa criar uma comunicação entre homem e máquinas para garantir, por exemplo, que a injeção que você está recebendo é a que você precisa”, comenta Elcio Brito, idealizador do projeto “Tempos Modernos”, líder do comitê de gestão do projeto Carnaval 4.0 e sócio da SPI Integração de Sistemas.

Da esq. p/ dir.: Elcio Brito, líder do Projeto Carnaval 4.0 e SPI; Osmar Costa, da Rosas de Ouro, Virginia Vaamonde e João Carlos de Oliveira, da GS1 Brasil

O presidente da GS1 Brasil, João Carlos de Oliveira, destaca que a tecnologia é fundamental para reduzir custos, melhorar processos e trazer bons resultados. “Não importa o momento econômico de um país, a tecnologia sempre será o diferencial. Diante disso, temos o compromisso de divulgar esse conhecimento. É muito interessante mostrar para o Brasil que o seu principal evento cultural, o Carnaval, traz essa reflexão sobre a tecnologia. Talvez isso aponte para uma nova etapa do nosso País, que está pensando mais em automação e tecnologia”, afirma João Carlos.

“A ideia do enredo é humanizar a revolução industrial e divulgar o quanto é importante para a população brasileira entender o que está por vir. O futuro já chegou e a cada dia que passa, precisamos ficar mais atentos às inovações”, completa o vice-presidente da Rosas de Ouro, Osmar Costa. “Agradecemos a receptividade e a aposta da GS1 em poder divulgar o código de barras dentro do nosso projeto de Carnaval, que é transmitido no Brasil e mais de 200 países. Esperamos chegar muito longe com esse tema”, completa Osmar.

Rasgar o manual para inovar

Levar a tecnologia para o Anhembi tem sido uma experiência única e inovadora para todos os envolvidos. “Quando conhecemos o projeto “Tempos Modernos” ficamos empolgados com este momento único do Carnaval de São Paulo e muito felizes em encontrar uma sinergia muito forte com o samba-enredo e com a Rosas de Ouro. Felizmente percebemos uma química e, com certeza, será uma experiência muito interessante”, aposta o presidente da GS1 Brasil.

Na opinião do vice-presidente da Rosas de Ouro, o diferencial do enredo é que ele não acaba no Carnaval, pois deixa a sugestão da discussão “Chegou a hora de rasgar o manual”? [trecho do samba-enredo que vai embalar o desfile]. Esse questionamento, que significa repensar para fazer diferente, servirá para todas as pessoas e telespectadores. Chegou o momento!”, conclui Osmar.

Os ensaios da Rosas de Ouro acontecem todas as sextas-feiras, das 22h às 2h, na quadra social da escola, localizada à rua Cel. Euclides Machado, 1066, ao lado da ponte da Freguesia do Ó.

Equipe do Projeto Carnaval 4.0

O time do projeto Carnaval 4.0 é uma organização formada por acadêmicos, especialistas de tecnologia de diferentes organizações e gestores e artistas da Rosas de Ouro que buscam contribuir com a transformação do País num Brasil 4.0. O time é organizado em três núcleos: parceiros acadêmicos, tecnológicos e comitê de gestão. Confira os envolvidos:

Parceiros acadêmicos

Pesquisadores e alunos da Universidade de São Paulo (USP), Centro Universitário FEI, Instituto Mauá de Tecnologia, INSPER e de outras universidades que estão desenvolvendo as experiências digitais com o apoio do Instituto de Pesquisa Tecnológica (IPT).

Parceiros tecnológicos

As empresas que estão fornecendo hardware, software e capacitação para as universidades: Siemens, PTC, Schneider, Electric, Ladder, Universal Robots, Nokia, Staaubli Robotics, Dassault Systèmes, Contric Robótica, Eplan, Infosphera,  Quantum4,  GRV Software e Sacrini Design.

Comitê de gestão

Responsável pela administração do projeto: SPI Integração de Sistemas, People+Strategy, EloGroup , CNC, ATTO, UMANTECH e N&DC.

Apoio institucional ao enredo Tempos Modernos

GS1 Brasil – Associação Brasileira de Automação

Parceiros culturais da Rosas de Ouro

Mercedes-Benz e Besni.

Fotos: Izilda França

Tags